sexta-feira, 3 de julho de 2015

10 dicas para estudantes universitários

Fonte: Universia

A transição da escola para a faculdade pode ser um período de difícil adaptação para alguns alunos, já que suas vidas mudam completamente. Para facilitar esse processo, é interessante que sejam estabelecidos objetivos e formas de alcançá-los. A vida universitária pode ser muito divertida e será essencial para moldar o aluno como profissional da área que ingressará. Veja 10 dicas que todo estudante do grau superior deveria saber:
1 - Controle-se financeiramente
Compre a bibliografia obrigatória somente quando for extremamente necessário e pegue emprestados os livros que estiverem disponíveis na biblioteca. Além disso, cancele seu cartão de crédito caso você seja um viciado em compras.  Essas pequenas economias farão grande diferença se você realmente precisar de um dinheiro extra.  

2 - Organize seu tempo
Divida seu dia entre as aulas, o trabalho (se você tiver) e as atividades extracurriculares. Faça anotações, seja disciplinado e participe das aulas. 

3 - O sistema não está contra você! 
Não discuta com as autoridades da sua universidade. Sempre que você estiver com algum problema, tente resolve-lo da maneira mais educada possível, porque isso pode ser bom para sua carreira no futuro. 

4 - Faça amizades 
Adquirir uma vida social é muito importante. Além de facilitar a adaptação no novo ambiente, as novas amizades podem tornar-se relações duradouras de confiança. Você cultivará várias histórias e se importará menos com rumores desnecessários. 

5 - Estágios e contratações
Procure um estágio durante o período universitário, porque isso pode gerar boas oportunidades no futuro. Está prática sempre conta pontos positivos no currículo. 

6 - Tenha certeza que escolheu o curso certo 
Como calouro, é importante que você dedique um tempo para explorar e pensar sobre as possibilidades da sua futura profissão, para que você tenha certeza da sua escolha. Outra dica é que você assista aulas diferentes para ver qual a sua área de preferência dentro da carreira. 

7 - Ouça os conselheiros
Quando o aluno ingressa na faculdade, a instituição tenta conectar os calouros com conselheiros da área de atuação de interesse de cada um. Porém, após um tempo, você pode conhecer outros conselheiros e querer saber mais sobre eles. 

8 - Conheça as fontes de pesquisa da instituição:
Informe-se de todos os programas que estão sendo promovidos pela faculdade. Além disso, cheque se existem tutoriais ou aulas de reforço para que você fixe melhor os conteúdos. 

9 - Estabeleça objetivos
Determine quais os intuitos de cada aula que você assistir e, além disso, opte por outra fora da grade horária. Porém, organize bem seus horários para você não ficar sobrecarregado. 


10 - Esteja saudável 
Exercícios físicos aumentam o fluxo sanguíneo para o cérebro e, consequentemente, melhoram o humor e o sono, além de reduzir a ansiedade e o estresse. Por isso, coma bem, mantenha-se em forma e se exercite regularmente.

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Vantagens dos iPads em sala de aula

Fonte: Universia

Os iPads podem se tornar grandes aliados no processo de aprendizado, principalmente de crianças com problemas de atenção. Para eles, esse tipo de tecnologia atua na tradução, comunicação e individualização, diminuindo a frustração, aumentando a confiança e ajudando na captação de conceitos que o aluno precisa aprender. 

Veja as vantagens do iPad para alunos com deficiências de aprendizagem:
1 - São intuitivos
Os iPads têm a tecnologia “touch” e, por isso, são fáceis de manusear. Aqueles que têm dificuldades de visualizar os conteúdos, sentem-se melhor com os aplicativos, mais fáceis de navegar. Alunos com deficiências motoras também se adaptam melhor aos iPads. Nesse caso, o diferencial da tecnologia é o “touch”, mais simples que o mouse de um computador tradicional, e não terem a necessidade de migrar o olhar da tela para o teclado.

 2 - Evita que os alunos se sintam frustrados
Muitos pontos fracos dos alunos com problemas de aprendizados recebem maior destaque. Para corrigir essas deficiências, os iPads disponibilizam aplicativos específicos para eles aprimorarem essas questões e, consequentemente, evitar a frustração e ineficiência. 

3 - Personalizam o ambiente de aprendizado
Cada aluno pode escolher qual o melhor método de aprendizado para si, considerando que os iPads são multi sensorizados. Assim, pode enfatizar as funções visuais ou orais, por exemplo. Além do trabalho individual, os tablets podem ser usados como uma ferramenta na sala de aula. Estudantes que não conseguem realizar anotações e prestar atenção na fala do professor, ele pode gravar as falas e convertê-las em notas posteriormente. 

4 - Ajudam na comunicação
Existem aplicativos como Proloquo2Go, Assistive Express e Yes/No que trabalham dando voz aos alunos, para que os mais tímidos consigam se expressar em sala de aula. Suas funções são, respectivamente, dar voz por meio do “touch”, formular frases e responder “sim” ou “não” para perguntas rapidamente.

5 - Podem ser ferramentas terapêuticas
Alguns aplicativos podem ser usados para especialistas utilizarem para construir questões pontuais sobre os alunos com problemas de atenção.

6 - Aumentam a atenção social
Para estudantes que precisam de ajuda para construir suas características de sociabilização, os iPads são excelentes. Embora o senso comum pregue que as novas tecnologias causem muita distração, nesse caso só trazem benefícios. Encontros pelo FaceTime, por exemplo, podem ajudar os estudantes a focarem nas leituras faciais. Esses aplicativos precisam ser muito usados para gerar prática.

 7 - Ajudam a criar um comportamento 
Alunos com dificuldades de aprendizado encontram problemas para acompanhar suas melhoras específicas e também pontuar exatamente onde estão os seus bloqueios. Quanto mais conteúdos os estudiosos têm sobre o comportamento dessas pessoas, os dados tornam-se mais precisos e facilitam a solução de cada caso. 

8 - São bons para organização
Um dos principais pontos fracos desse tipo de aluno é a falta de organização, por vários motivos. Com os iPads, os estudantes não perderão as lições de casa, trabalhos, livros, entre outros materiais didáticos, já que tudo estará devidamente armazenado no sistema operacional do tablet.

9 - Tiram os estigmas dos alunos 
Geralmente, os alunos com problemas tendem a achar que estão à margem do resto da sala e utilizar estratégias de ensino que enfatizem as diferenças entre os alunos só piorará a auto estima deles. Os iPads oferecem métodos alternativos de ensino, porém não fazem com que os alunos sintam-se marginalizados, afinal a ferramenta é vista como uma boa aquisição para as salas de aula. 

Professores e especialistas podem incluir músicas nos iPads para ajuda-los a se acalmar quando tiver com problemas emocionais. Portanto, os iPads e seus aplicativos podem melhorar demasiadamente a vida escolar dos alunos com problemas de aprendizado e até tornar a experiência de freqüentar as escolas agradável.

segunda-feira, 29 de junho de 2015

5 dicas para aumentar seu interesse pela leitura

Fonte: Universia

Embora seja um hábito muito importante para a construção do conhecimento e a formação pessoal, nem todas as pessoas costumam ler. Para combater a falta de prática e até mesmo o pouco interesse pela leitura, existem algumas orientações que podem ajudar a adquirir esse costume e, principalmente, apreciar as obras ao máximo. Confira algumas dicas preparadas pelaUniversia Brasil e boa leitura!
1- Encontre seus interesses
Será muito mais fácil – e prazeroso - completar uma leitura se o tema for algo atrativo para você. Por isso, pode ser mais produtivo começar a cultivar o hábito através de obras de ficção, literatura juvenil, ou artigos de revistas e jornais a ir direto para áreas mais complexas, como textos acadêmicos ou literatura clássica, temas que você poderá abordar quando tiver mais experiência.

2- Separe um momento
Com a rotina acelerada, é comum não encontrar tempo para a leitura, o que acaba se tornando uma justificativa. Para evitar que isso impeça seu progresso, determine um período do dia exclusivamente para ler. Não se esqueça, também, de aproveitar os momentos livres, como a ida para o trabalho ou a faculdade para estimular o hábito.

3- Crie metas
É mais fácil se manter produtivo quando há um hábito a ser alcançado, por exemplo, ler um livro por mês. Como incentivo, também é interessante estabelecer uma recompensa, por exemplo, um passeio a cada livro lido. Dessa forma, o cérebro associará a leitura a sensações positivas, o que a tornará cada vez mais agradável.

4- Fique longe das distrações
A leitura também é um exercício de concentração, portanto, o ideal é se desconectar de tudo o que o fazer perder o foco, seja lendo em papel ou por meios digitais. Nesse último caso, a própria tecnologia é uma aliada: existem aplicativos que auxiliam a concentração, bloqueando seus sites favoritos – como redes sociais- por um período de tempo determinado, para que você foque totalmente em atividades mais importantes.

5- Compartilhe a prática
Ter amigos leitores pode ser uma ótima maneira de incentivo. Vocês podem combinar, por exemplo, algumas discussões sobre a obra que te deixarão motivado a continuar com a leitura em dia e compartilhar opiniões. Existem redes sociais exclusivas para leitores, como a Skoob, que podem se tornar uma boa opção para compartilhar suas ideias literárias.

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Saiba como a escrita pode combater o estresse

Fonte: Universia

Em geral, a maioria das pessoas associa a escrita a uma atividade difícil, repleta de técnicas, como as redações de vestibulares ou a produção de textos acadêmicos, tarefas que, por serem vistas como obrigações, acabam gerando estresse. No entanto, em muitas técnicas da psicoterapia, a escrita é utilizada como tática para que os pacientes desabafem sobre seus problemas, colocando as situações em perspectiva e, consequentemente, aliviando as tensões.
Seguindo essa lógica, um dos métodos mais eficientes é escrever um diário, contando suas emoções e percepções sobre a carreira, seus objetivos e a vida pessoal. Além de analisar melhor suas questões internas, observando-as por novos ângulos, é possível registrar suas ideias e, a partir disso, encontrar soluções para os problemas que se apresentem.
Outra boa possibilidade é elaborar os sentimentos de maneira criativa, utilizando a literatura. J.K. Rowling, a famosa autora da saga Harry Potter, escreveu o início de sua obra mais importante enquanto enfrentava uma depressão causada pela morte da mãe e o divórcio após um relacionamento abusivo, sem contar as dificuldades em criar sua filha mais velha, Jessica, sem um emprego. Ao dar vazão ao seu impulso criativo, povoado pelos seus sentimentos negativos, como o luto, Rowling não apenas conseguiu superar a dor, mas também produziu um clássico da literatura infanto-juvenil, que lhe rendeu milhões.
Por fim, a escrita também pode se tornar uma ótima forma de aumentar a autoestima. Conforme os sentimentos vão sendo colocados em ordem e o estresse se dissipa, os diários se tornam um documento do progresso que você obteve, bem como uma motivação para continuar evoluindo. Dessa forma, escrever se mostra como um processo contínuo e bastante eficaz a curto e a longo prazo. Experimente!

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Entenda como a tecnologia pode impactar os métodos tradicionais de ensino

Fonte: Universia

Ao longo de gerações, os livros didáticos foram frequentemente utilizados no processo educacional dos estudantes, tanto nas escolas, como nos cursinhos e nas universidades. No entanto, nos últimos anos, esse material de estudo tem perdido boa parte da sua força. É o que aponta matéria publicada na revista The Atlantic.
Muitas escolas já têm substituído os livros de papel pelos digitais, o que revela uma nova tendência para a educação moderna. Um dos principais fatores que impulsionam essa mudança, certamente, seria o descontentamento provocado ainda na infância, quando muitas crianças começam a sofrer com dores crônicas nas costas, provocadas pelo peso dos livros que costumam carregar na mochila. 
Já na faculdade, o problema se torna mais intenso: o preço elevado de muitos livros exigidos no cronograma de ensino requer um alto investimento por parte dos universitários, que muitas vezes,não possuem condições financeiras para arcar com esse tipo de despesa. 
É nesse cenário em que atua a educação virtual: os materiais digitais de aprendizagem, comosoftwares e E-books, por exemplo, têm se tornando cada vez mais eficientes e populares entre os estudantes. 
Além de facilitar os estudos de muitos alunos, esses novos materiais têm mudado o papel do professor no que se refere à maneira de conduzir as aulas em sala, bem como aos métodos de avaliação da turma. 
 Essas mudanças têm gerado muita controvérsia entre setores diversos, provocando, inclusive uma crescente polêmica a respeito do possível fim dos livros didáticos. Enquanto alguns profissionais defendem a implementação da tecnologia como um substituto dos métodos de ensino tradicionais, outros apresentam uma visão cética, chegando a criticar o aprendizado digital em alguns casos, julgando-o prejudicial ao bom desempenho acadêmico dos alunos. 
Em meio a inúmeras apostas e incertezas para o futuro da educação digital, é possível afirmar que as mudanças implementadas pela tecnologia trouxeram mais autonomia aos alunos, que, de fato, estão aprendendo em um espaço educacional que está em constante evolução.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Conheça 3 livros que todas as pessoas da geração Y devem ler

Fonte: Universia

Geração Y é um conceito sociológico para designar as pessoas que nasceram entre a década de 1980 e meados dos anos 1990. Embora existam algumas discordâncias quanto ao período que concentram os millennials – há teóricos que consideram os anos 1970 como marco inicial, enquanto outros nem sequer contemplam a última década do século XX –, é consenso que estes jovens cresceram em meio a um mundo repleto de inovações tecnológicas e certa prosperidade econômica e, por isso, desenvolveram uma mentalidade bastante distinta dos seus progenitores – nascidos num período de transição –, valorizando muito o aprendizado e associando a realização pessoal às suas carreiras.
Por terem ideias tão diferentes da geração X, é comum que os millennials encontrem certa dificuldade para compreender e até mesmo se adequar ao mercado de trabalho. Se este é o seu caso, não se preocupe. A Universia Brasil reuniu 3 livros em inglês, escritos por pessoas da própria geração Y, que darão conselhos profissionais e colocarão fim às suas dúvidas. Confira a seguir: 
1. “Brokenomics: 50 ways to live the dream on a dime”, de Dina Gachman
A prosa bem-humorada da colaboradora da Forbes é uma das razões para que este seja um livro bastante interessante para os jovens, sobretudo porque Dina Gachman compartilha aprendizados pessoais sempre partindo de experiências cômicas com as quais a grande maioria dos leitores é capaz de se identificar. Esta obra é recomendável para todos que estão encontrando dificuldades em lidar com assuntos cotidianos, desde arcar com os custos do aluguel e dos cartões de crédito até a dúvida sobre ter ou não um filho. 
2. “Me 2.0: 4 steps to building your future”, de Dan Schawbel
Considerado um guru pelo New York Times quando o assunto é desenvolver umapersonalbrand,Dan Schawbelpode ser considerado uma fonte importante de conselhos tanto para quem está à procura do primeiro emprego, quanto para quem está sonhando com uma promoção.Esse prestígio se deve ao fato do leitor ser apresentado, nesta obra, ao processo de criação e manutenção de uma marca pessoal, o único aspecto que hoje pode te diferenciar dos demais profissionais, segundo Schawbel. Além disso, o autor é um grande defensor da ideia que as redes sociais são ferramentas fundamentais para garantir avanços na sua carreira, assim como a habilidade de expandir seunetworks, seja via internet ou pelos métodos mais tradicionais. Por isso, não deixe de conhecer os quatro passos básicos para crescer profissionalmente e planeje seu futuro com a ajuda deste livro. 
3. “The Legacy Letters: 30 women address the next generation”, de Lisa Nicole Bell
Quem nunca sonhou com uma máquina do tempo para que pudessem visitar o passado e dar para suas versões mais novas conselhos sobre a vida e avisá-las dos erros que elas estariam propensas a cometer? Pois é justamente com esta ideia que a editora Lisa Nicole Bell brinca neste livro. Ela pediu para mulheres bem-sucedidas, como a produtora executiva da LionsgateEntertainment,CharisseNesbit, escreverem cartas para suas versões adolescentes agora que já enfrentaram grandes obstáculos e construíram carreiras admiráveis. O resultado foram relatos por vezes cômicos, mas sempre inspiradores, sobre o que significa ser uma jovem mulher moderna no século XXI nos vários âmbitos de suas vidas.