sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Você Sabia?


Mas, calma! Não são todos os games. 
Prefira os de raciocínio lógico e de estratégia. 
Eles te deixarão esperto, experiente e saudável. Jogue mais! 

#EducaMaisBrasil #BolsasDeEstudo #VocêSabia


Entenda como o estresse interfere no cérebro das crianças

Fonte: Universia

Em geral, para toda situação de estresse nosso cérebro, há uma resposta neural e hormonal. Essa reação pode ser de luta ou de fuga, por exemplo. O estresse no ambiente escolar pode derivar de diversos fatores, que vão desde um desequilíbrio familiar até mesmo a uma semana de provas.

Quando o cérebro de uma criança percebe os indícios do estresse, o seu organismo libera uma série de hormônios, tais como o cortisol. O conjunto de reações provoca um aumento no estado de alerta e nos sentimentos de ansiedade. Além disso, a capacidade de aprendizado profunda e completa também é prejudicada. É como se quiséssemos tentar memorizar uma tabela de dados enquanto somos perseguidos por um urso: é impossível manter a concentração, certo? É importante ressaltar que o estresse, quando agudo, também impede o armazenamento da memória.


Estudos comprovam que, quando uma criança experimenta situações prolongadas de estresse no ambiente escolar, o seu cérebro repete sempre as mesmas respostas. Ou seja, é como se o seu sistema nervoso estivesse acostumando a permanecer estressado ou avançar rapidamente para uma resposta ao estresse. Essa situação constante pode prejudicar o autocontrole, a memória e o raciocínio da criança, habilidades essenciais para a sua aprendizagem.


Pesquisas também mostram que o estresse agudo e crônico é prejudicial principalmente para os estudantes mais novos. Em geral, uma criança que foi exposta a situações estressantes desde pequena tende a apresentar menos autocontrole e mais dificuldade de atenção. Em meio a uma questão tão complicada, surge a seguinte questão: como os educadores devem trabalhar com a ansiedade em sala de aula?


Segundo o economista e vencedor do Prêmio Nobel James Heckman, as habilidades sociais, os traços de personalidade e a capacidade de continuar realizando determinada tarefa podem ser ensinados aos estudantes até mesmo em idades mais avançadas. Além disso, há muitas maneiras de reduzir a ansiedade dos alunos durante as aulas. Dentre elas, podemos destacar algumas importantes:


1. Destine um lugar seguro na sala de aula para as crianças em situação de estresse


2. Encoraje a autoconsciência do aluno, fazendo com que ele reconheça os sintomas de estresse

3. Ensine-o como administrar o tempo


4. Reconheça o esforço dos alunos


5. Reserve um tempo para uma meditação dos estudantes


6. Faça algumas exceções para os alunos mais tímidos (como não chamá-lo para escrever na lousa ou ler na frente dos colegas, por exemplo).


Por fim, para que o professor tenha sucesso na redução da ansiedade dos alunos, a compreensão acerca dos efeitos do estresse sobre o cérebro é fundamental.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Veja como ter sucesso na carreira ainda com 20 e poucos anos

Fonte: Universia

Ao se formar na faculdade, muitos estudantes esperam encontrar um mercado de trabalho receptivo e paciente para suas dificuldades. Entretanto, não é isso o que a maioria encontra depois de receber o diploma. Caso você tenha se impactado com esta situação e não saiba muito bem como agir para atingir o tão sonhado auge da carreira, não se preocupe. Confira 5 dicas que a Universia Brasil reuniu para que você faça dos seus 20 e poucos anos um período de grande crescimento profissional:

1 – Sonhe
Para se ter sucesso, é preciso primeiro saber aonde se quer chegar. Caso você não tenha claro ainda quais são seus objetivos profissionais, tire um tempo para refletir a respeito. Faça uma lista das conquistas que você deseja ter com 30, 40 e 50 anos, por exemplo, e comece a planejar seus passos para que seja possível alcançá-las.

2 – Ouse
Você é jovem, ou seja, deve aproveitar a oportunidade para explorar as várias possibilidades que a graduação oferece. Então seja criativo: comece um projeto do zero e veja como ele poderá se desenvolver. Ou aceite uma proposta de emprego na área, mas que não inclua, necessariamente, a gama de habilidades com as quais você se sente mais confortável. Independentemente do que você opte por fazer, o importante é usar essas experimentações para descobrir o que você realmente gosta e começar a investir nesses ramos.

3 – Use o tempo a seu favor
Renato Russo costumava cantar, aos 26 anos, que os jovens tinham todo o tempo do mundo. Embora essa concepção seja verdadeira, é importante lembrar que a música se chama “Tempo Perdido”. Em outras palavras, muitas vezes as pessoas veem a juventude passar diante dos seus olhos e não sabem como seguir nos próximos anos. Para que você não tenha essa sensação e possa encontrar nos versos “Nem foi tempo perdido / Somos tão jovens” um eco da sua realidade, saiba usar o tempo a seu favor. Além de usá-lo para o lazer, aproveite-o também para assumir novas responsabilidades.

4 – Economize
Agora pode parecer besteira pensar em aposentadoria e economias, mas futuramente elas farão toda a diferença. Imagine que, talvez daqui a cinco anos, você queira viajar para Londres com seus amigos. Se você tiver sua conta sempre próxima do zero, realizar esse desejo será bastante difícil. Agora se você tiver uma poupança já com algumas economias, a situação muda completamente. Então aproveite que você está ganhando mais agora para guardar uma quantia fixa, ainda que seja pequena, todo mês. Assim, além de realizar seus desejos mais ambiciosos, você também fica preparado caso ocorra algum imprevisto.

5 – Não se esqueça da sua vida
Carreira é um fator importante da vida, porém não é o único. Por isso, não viva apenas para atingir seus objetivos profissionais. Portanto, pense sobre as outras coisas que te fazem feliz e invista seu tempo nelas.